Mapa Para Remar de SUP
dicas

A Importância do Mapa

A primeira coisa que faço quando estou planejando uma travessia é abrir o Google Maps (com imagem por satélite) e analisar a área onde pretendo remar. 

No mapa, procuro:

  1. Áreas de interesse para visitação – locais isolados, natureza preservada, sítios históricos, acidentes geográficos, etc. (esses são os meus, mas os interesses podem ser praias com as melhores ondas para surfar ou até bares com as cervejas mais geladas, cada um tem as suas prioridades, rs).
  2. Possíveis pontos de partida – locais bem abrigados, com poucas ondas, de fácil acesso de carro ou, quando for o caso, de barco.
  3. Possíveis pontos de descanso e alimentação.
  4. Distâncias – use o recurso do aplicativo para medir as distâncias e meça quantos quilómetros há do ponto de partida ao ponto de chegada.
Lagoa Azul de Fethye Turquia
Blue Lagoon, Oludeniz, Turquia, um dos lugares mais bonitos que já visitei e achei olhando no Google Maps

Isso vale para qualquer remada, mas cito aqui dois exemplos de travessias fora do Brasil. Tanto nas travessias da Riviera Turca, na Turquia, quanto na da Costa Brava, na Espanha, a pesquisa pelo Google Maps foi determinante para a escolha dos locais. Nas duas ocasiões, estava com as viagens marcadas para compromissos profissionais em outras áreas destes países. Consegui negociar de ficar mais tempo lá, por minha conta. E poderia ir para qualquer lugar ali perto. Então comecei a buscar, no mapa, áreas do litoral a costa é mais recortada, com baías profundas e penínsulas esticadas. Procurei também por praias desertas, sem construções, e natureza abundante. Assim achei os lugares perfeitos que até hoje são umas das melhores remadas que já fiz.

Texto e fotos: Daniel Aratangy

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *