Loading...
cultura mar SP travessia ubatuba

Força Caiçara

Antes da construção da Rodovia Rio-Santos, na década de 1970, Ubatuba era pouco povoada. Algumas comunidades que viviam de subsistência, pescando e plantando o que precisavam para comer, se espalhavam pelas praias da região.
Com a chegada dos turistas os preços dos terrenos subiram exponencialmente e, gradualmente, a população nativa foi migrando para o interior do município, nas encostas das montanhas. As praias mais isoladas ainda têm pequenas comunidades caiçaras, principalmente as que estão perto da divisa com o estado do Rio de Janeiro.
Praia Grande do Bonete, no litoral Sul de Ubatuba

 

A Praia Grande do Bonete é uma exceção. Apesar de estar localizada na região mais povoada e visitada por turistas, no sul do município, ela mantém características das comunidades mais antigas. As ruas são estreitas. Não passam de pequenas trilhas, com largura para passar apenas duas pessoas de cada vez. O design das habitações é o mesmo há muitas gerações. Mesmo as casas de veraneio mantiveram a arquitetura local. E também a maneira de pescar, em pequenas jangadas de madeira pintada, continua viva e ativa.
Praia do Cedro, deserta e selvagem

 

Seus moradores sabem que vivem num lugar especial e cuidam para que continue assim. Todos os visitantes são sempre bem-vindos, mas devem ter atenção redobrada com o rastro que deixam, tanto físico (como o lixo), quanto cultural.
Ponta da Fortaleza, em Ubatuba

 

SUP na Ponta da Fortaleza

 

 Cheguei lá, vindo da Praia da Lagoinha, depois de enfrentar um vento muito forte nos primeiros quilômetros. Remei rente à faixa de areia, de uma extremidade à outra, subindo e descendo nas ondas. Os dois primeiros terços da praia não têm nenhuma construção porque ficam muito próximo ao morro. A vila está no canto mais abrigado.
Praia Brava da Fortaleza, no caminho entre a Lagoinha e a Vermelha do Sul

 

Depois continuei, passando pela Praia do Cedro (completamente deserta com apenas uma pequena construção abandonada há muitos anos), dei a volta na Ponta da Fortaleza (com suas pedras enormes que lembram um pouco Stonehenge) e, com vento totalmente a favor, passei pela Praia da Fortaleza, Brava da Fortaleza e Praia do Costa (também deserta, aparentemente por questão judicial), até chegar na Vermelha do Sul.
Praia Vermelha do Sul, em Ubatuba

 

Outra travessia até a Praia Grande do Bonete foi contada aqui.
Trajeto entre a Lagoinha e a Vermelha do Sul

 

Distância = 11,6 km
Duração = 2 horas e 50 minutos
Vento até a Praia do Cedro = forte/moderado contra
Ondas até a Praia do Cedro = fracas, contra
Vento depois da Praia do Cedro = moderado, a favor
Ondas depois da Praia do Cedro = fracas, a favor
Cidade = Ubatuba
Texto e fotos: Daniel Pluk

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *