Loading...
dicas

O Que Fazer Numa Tempestade de Raios

Em entrevista exclusiva, especialista fala aos praticantes de Stand Up sobre os perigos dos raios e como se proteger deles
 
raios no mar
Tempestade de raios no mar

 

Depois de me assustar remando durante uma tempestade de raios em Caraguatatuba (numa travessia publicada aqui) fiquei pensando sobre o risco de ser atingido por uma descarga elétrica. Para um leigo como eu, parece que estar em pé, no mar, transforma os praticantes de SUP em verdadeiros pára-raios, atraindo qualquer descarga para si.
 
Para tirar as dúvidas, conversei com Osmar Pinto Junior, coordenador do Grupo de Eletricidade Atmosférica (ELAT) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Ele me contou que o nosso esporte é mesmo perigoso, mas menos arriscado do que nadar no mar durante a tempestade.
 
A seguir a entrevista:
 
Caminhos Do SUP: As chances de ser atingido por um raio são maiores no mar ou em terra?
Osmar Pinto Junior: Depende. O mar tem menos raios, mas seus efeitos se propagam mais longe.
CDS: Durante uma tempestade de raios, é pior estar nadando próximo à praia, dentro de um barco, ou remando em pé?
OPJ: É pior estar nadando, isto é, em contato com a água.
CDS: Faz alguma diferença o material do remo (carbono, alumínio, madeira)? E da prancha (resina epoxy, polyestireno, poliuretano, fibra de vidro, fibra de carbono, isopor)?
OPJ: Sim, quanto mais isolantes eletricamente [materiais cujas cargas elétricas se movem mais devagar], melhor.
CDS: Faz diferença remar próximo à costa ou em alto mar?
OPJ: Na costa é pior, pois tem mais raios.
CDS: O que deve ser feito para se proteger dos raios no SUP? É melhor deitar na prancha e esperar a tempestade passar? Ou remar o mais rápido que puder até uma praia próxima?
OPJ: Remar o mais rápido possível para a praia.
CDS: Existe alguma maneira de prever uma tempestade de raios só de olhar para o céu?
OPJ: Não, mas se ouvir um trovão, que é o barulho associado aos raios, vá para a praia de imediato.
 
Texto: Daniel Pluk

2 Responses

  1. Salve, eu ja passei por isso na represa billings, o tempo estava pessimo, a vontade de estar na agua grande mas a prudencia não foi levada em conta, botei a prancha na agua e em dois minutos começou a chover muito, em seguida ouvi um trovão com raio proximo, logo na sequencia outro mais perto, quando a terceira chance foi dada, caiu um raio bem perto de mim, eu na agua, deitei na prancha e sai remando com o braço, cheguei na praia da represa sem pulmão e meio desesperado, tremia de medo e pensei na minha vida o tempo todo, cara foi sinistro, eu estava saindo da agua e um raio caiu muito muito proximo, corri com a prancha e larguei do lado do carro, entrei e esperei a chuva passar pra depois embarcar e voltar…não tinha mais condição porque tbm a neblina entrou e dai lascou.

    Um coisa que eu não sei se vc ja viveu foi a neblina na represa, cara eu ja remei com todos os tipos de fatores de tempo que existe, uma coisa que fica impossivel é vc remar com neblina e a noite, de dia com neblina vc perde a referencia mas ve alguma coisa, a noite vc esta lascado, eu me lasquei uma vez com neblina e o dia caindo, a noite chegou e não tinhamos chegado no carro, ao inves de ir reto fomos ladeando a costa e chegamos bem perto, até pedirmos ajuda porque seguir não era seguro nem prudente, parabens pela pagina.

    to querendo descer pra peruibe / guarau, remar naquele rio guarau, deve ser irado…

    1. Salve, Fernando
      Cara, que loucura hein! Essa é a única coisa que tenho medo de verdade. As ondas e o vento eu me viro, mas contra raio não tem o que fazer!
      E neblina nunca peguei. Difícil de encontrar o caminho, mas deve ficar um visual interessante…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *