Loading...
água doce Pará rio travessia

Stand Up na Floresta Amazônica

Remando de SUP na Região de Alter do Chão, no Pará

Stand Up Paddle em Alter do Chão

Fui com uma turma para Alter do Chão e nos hospedamos em um barco de madeira, típico da região. Fazíamos as refeições à bordo e dormíamos cada noite num lugar diferente, sempre pendurados nas redes no andar superior da embarcação. O capitão Nildo tocava o barco com a ajuda de um marinheiro e uma cozinheira.

Ilha do Amor, que foi considerada a praia mais bonita do Brasil
A Praia Mais Bonita do Brasil

Nildo me contou que nessa época em que estávamos lá (fomos em outubro) venta muito, sempre vindo do norte. Na verdade o vento forte vai de julho a janeiro, que é mais ou menos a mesma época (de outubro a dezembro) em que não chove e o nível do rio está baixo o suficiente para que se possa curtir as praias. E que praias! Só para citar um exemplo, a Ilha do Amor, que fica bem na frente de Alter do Chão, foi considerada a mais bonita do Brasil pelo jornal inglês The Guardian.

Ponta do Cajutuba, uma das tantas no Rio Tapajós
Muitas Praias

Não imaginava que fossem tantas praias e tão bonitas. É realmente impressionante. Algumas lembram as praias da Bahia com suas falésias, mas a maioria é diferente de tudo que já tinha visto. Elas são de água doce, com areia branquinha e fina, uma novidade para mim. E são cercadas pela Floresta Amazônica, num terreno super plano, quase sem montanhas, bem diferente das praias da Mata Atlântica.

Conhecendo os igarapés mais escondidos da região
Rio que Parece Mar

O rio Tapajós é só um afluente do Amazonas, mas mesmo assim é imenso. Até num dia claro de sol, é difícil enxergar a margem oposta do rio, que na parte mais larga chega a quase 20 km de extensão. Com o vento forte, a correnteza e o fluxo constante de barcos e navios, atravessar o Tapajós remando de SUP é um trabalho e tanto. Ficar em uma das margens, aproveitando o visual da floresta parece ser mais interessante.

Horizonte sem fim nesse rio que mais parece o mar
Remando de Stand Up Paddle no Rio Tapajós

Levei minha prancha inflável para essa viagem. Além de mim, uma amiga trouxe a dela e alugamos um rígida em Santarém, que nos acompanhou durante os dez dias que estivemos navegando. Então tínhamos três pranchas que usamos o tempo todo. Em cada parada dávamos uma remada e sempre procurávamos os lugares menos turísticos, nos aventurando por lagoas, afluentes e igarapés.

Conhecendo a floresta inundada
No GPS

Acabei não registrando os trajetos no GPS, por isso, especialmente nessa viagem, não publicarei o mapa das travessias. Mas posso citar algumas localidades em que remamos, para quem estiver indo para lá possa pesquisar. Então vai: Ponta do Cururu, Ponta do Cajutuba, Ria Aramanaí, Praia de São Domingos, Praia de Maguari, Praia do Icuxi, Comunidade São Miguel, Costa do Arimun, Caracaraí e Lago do Tapari.

Nosso barco e casa durante os dias nos rios Tapajós e Arapiuns
Os Animais que Encontramos

Nos afluentes do Tapajós tivemos as experiências mais interessantes. Além do vento ser mais fraco, neles passávamos remando por entre as árvores, na floresta inundada. Um cenário dramático que dava vontade de ir cada vez mais longe. A única coisa que senti falta, foi o contato com a fauna local. Esperava encontrar mais animais do que encontramos. Foram um punhado de botos, um ou outro macaco e poucos pássaros. Mas isso é só um pequeno detalhe. A região de Alter do Chão é um dos melhores lugares pra remar de Stand Up no Brasil.

Praia no rio Arapiuns
Além do SUP

Alter do Chão tem muita coisa legal para fazer.Na Ilha do Amor fiz uma trilha no meio da mata que leva ao morro mais alto da região. É a Serra da Pira-Oca. De lá temos uma visão 360 que vale muito o esforço da subida.

Igarapé que desemboca no rio Tapajós
Carimbó

Na única noite que passamos em Alter do Chão, fomos na festa de Carimbó que acontece todas as quintas-feiras, gratuitamente, nas ruas da cidade. Foi uma experiência surpreendente. Nesse mundo globalizado em que vivemos, está cada vez mais difícil encontrar manifestações populares autênticas, que não sejam meras representações, imitações toscas, de algo do passado remoto, já esquecido. E o carimbo é autêntico demais. Tá vivo e passando bem. Música e dança fazem parte de cada um dos moradores locais. Coisa linda de se ver!

Praia do rio Arapiuns
ALUGUÉL DE STAND UP PADDLE EM ALTER DO CHÃO

Na praia em frente à cidade tem algumas placas indicando o aluguel. Basta chegar lá e se informar.

 

Texto e fotos: Daniel Aratangy

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *