internacional mar travessia

Tossa de Mar


Remada Lindíssima na Costa Brava Espanhola
Remando de SUP na Costa Brava, na Catalunha

Com viagem marcada para Barcelona, comecei a buscar praias bonitas e vazias ali por perto. Abri o Google Maps e vasculhei as redondezas, de olho nas partes com menos construções e mais natureza. Não demorei muito para achar a Costa Brava. De cima, parecia incrível! Areia e pedras bem branquinhas, mar transparente de tom azul, praias pequenas, muitas sem nenhuma casa, hotel, restaurante nem quiosque em volta. Perfeito!

Litoral todo recortado da Cost Brava espanhola

Então fui para Barcelona. Fiquei uma semana num hotel (enquanto estava a trabalho) e uns dias na casa de uma grande amiga, que mora lá há anos. Convidei-a para fazer esse passeio na Costa Brava comigo e ela aceitou na hora. E ainda se ofereceu para ser a motorista. Não queria remar, só ficar deitada na praia, relaxando. Disse que me deixaria onde quisesse e me pegaria depois em outro ponto.

Ilhas de Pedra próximas a cidade medieval de Tossa de Mar

Com isso, não tive que programar uma remada circular, com ida e volta. Poderia partir de e chegar em pontos diferentes. O que era perfeito, afinal, nas pesquisas que antecederam a viagem, tinha visto que o vento na região era muito forte. E realmente, nos dias que fiquei em Barcelona ele não deu trégua um dia sequer. Então resolvi sair de uma cidadezinha chamada Tossa de Mar e seguir para o norte, acompanhando a direção do vento.

Tossa de Mar, única cidade medieval preservado no litoral da Catalunha

Alugamos um desses carros de aplicativo, que você destrava a porta pelo celular. Em menos de uma hora e meia já estávamos estacionando o carro nas ruas de Tossa de Mar. A cidade é o polo turístico da Costa Brava mais próximo de Barcelona, com pouco mais de 6 mil habitantes. Além das praias, Tossa é famosa por causa do centro antigo. O vilarejo é cercado pelo muro de uma fortaleza do século XIII e as construções medievais, ali dentro, estão totalmente preservadas. Ainda tem alguns moradores vivendo nessas casas, mas a maioria virou loja de souvenir, bares e restaurantes. Nós almoçamos numa dessas relíquias, entre o forte e o mar.

Cala (praia) Es Codolar bem no centro histórico de Tossa de Mar

Após o almoço, inflei a prancha e combinei com minha amiga de encontrá-la numa praia de nudismo, chamada Senyor Ramon. Ela já a conhecia e disse que era umas das mais tranquilas e bonitas da região. Eu tinha calculado no mapa e parecia estar a uns 10 km de travessia. Distância perfeita para uma remada sem pressa. Qualquer coisa, no falaríamos pelo celular.

Achando caminhos entre pedras na Costa Brava

Já na saída percebi que essa seria uma remada especial. Que lugar lindo! Lembrava um pouco Fernando de Noronha, mas com pedras brancas em vez de pretas. E a costa era impressionante. Uns paredões altos e sinuosos que vinham até a beira da água. Nas imagens do Google Maps, não dava pra perceber essa dimensão. Tudo era grande e a prancha parecia pequena naquele mar transparente.

Vista aérea dos paredões de pedra que dão nome à Costa Brava

A menos de 1 km do centro de Tossa, encontrei um caminho estreito entre dois paredões de pedra. O mar tava calmo e resolvi entrar. Ali no fundo tinha uma praia minúscula, paradisíaca. Ela era cercada por pedras tão verticais que acho difícil alguém conseguir chegar por terra. E pelo mar a entrada é tão estreita que nenhum barco consegue passar. Só mesmo remando pra chegar lá. Desci um pouco da prancha e fiquei contemplado. Que maravilha! Que sorte tenho. O SUP é mesmo o melhor jeito de conhecer os lugares.

Primeira parada foi esse achado: uma praia deserta escondida por um corredor de pedra

Voltei pro mar, agora passando entre ilhas de pedra. Um dos conjuntos lembrava o Dois Irmãos, de Noronha. A água parecia ainda mais transparente, com cardumes gigantes nadando lá no fundo. Remei bem devagar, apreciando a vista, olhando para os desfiladeiros em cima e a profundeza do mar, embaixo. Virei uma península e encontrei várias grutas pequenas. Cada curva era uma surpresa.

Formação rochosa que lembra o Dois Irmãos de Fernando Noronha

Mais adiante achei outra praia pequena. Essa era ainda menor do que a primeira e também estava vazia. Do paredão da costa descia uma escada, escavada na pedra. Parecia cenário de Game of Thrones. Impressionante. Sentei ali também pra apreciar o visual. Em meia hora de remada já tinha encontrado tantos lugares incríveis. Não dava pra parar em todos. Se não, só ia encontrar minha amiga à noite.

Praia vazia com escada escavada na pedra, parece um cenário

Continuei passando por várias praias lindas, mas sem parar. Muitas eram pequenas e vazias, como as que tinha descido antes. Outras era um pouco maiores, com estrutura de hotéis e restaurantes. Algumas não tinham nada em volta, mas muitos barcos se concentravam ali. Cheguei a entrar com a prancha em um gruta maior que estava cheia de turistas.

Prainha vista de outro ângulo

Mais ou menos na metade do caminho, parei novamente. Outra praia linda, chamada Cala Futadera. Sem nenhuma estrutura de bar ou restaurante, mas com alguns turistas curtindo o sol, deitados na areia grossa. Numa das laterais tem um caminho de concreto que segue até a ponta da península. É um visual diferente e tem gente que toma sol ali mesmo, pulando na água nos pontos sem pedras.

A Cala Futadera, no meio do caminho da travessia

A próxima parada foi em outro caminho estreito entre pedras. Esse era mais longo do que o primeiro que entrei e tinha uma ponte de madeira que o atravessava, mas no fundo também tinha uma pequena praia. Mais um lugar que parecia cenário de cinema, de tão bonito que era. Enquanto estava lá, um veleiro ancorou do lado de fora, no mar aberto, e uma família desceu. Foram a nado até onde eu estava para curtirem a prainha.

Cala Senyor Ramon, praia de nudismo onde finalizei a travessia

Deixei eles lá e segui para a Cala Senyor Ramon. Logo encontrei minha amiga deitada sob um guarda-sol. Metade dos banhistas estava realmente nu. O resto curtia a praia de shorts ou biquíni mesmo. Enquanto contava das praias que passei para minha amiga, duas turistas russas se aproximaram perguntando se a prancha de Stand Up era minha. Elas queriam o SUP emprestado para fotos. Emprestei a prancha, mas não esperava que tirassem tantas fotos. Ficaram uns 40 minutos sem dar uma única remada, só fazendo poses para a câmera do celular.  A praia inteira acompanhou a sessão de fotos, rindo muito.

Turista russa fazendo fotos na minha prancha

Antes de ir embora ainda remei mais um pouco para aproveitar o máximo que desse. Passei por mais uma ponte no mar. Essa era um caminho de pedra que levava da praia à ponta da península. Redundante dizer que era lindo, mas era mesmo e tenho que dizer. Voltei para a Cala Senyor Ramon com a sensação de que ficaria mais umas 10 horas remando, mas o sol já tava quase se pondo e ainda tínhamos que comer alguma coisa e pegar a estrada de volta para Barcelona. Então subimos a trilha até o estacionamento, desinflei a prancha e fomos embora.

Dizendo adeus à Costa Brava
DADOS DA TRAVESSIA DE SUP NA COSTA BRAVA

Distância = 10 km

Tempo = 1 hora e 40 minutos de remada

Cidade = Tossa De Mar, Catalunha, Espanha

Mapa da travessia de SUP na Costa Brava
COMO CHEGAR EM TOSSA DE MAR

De carro, fizemos a viagem em 1 hora e meia e gastamos €80 com carro mais gasolina e uns €14 com pedágios (todos aceitam cartão de crédito).

Também dá para chegar lá de ônibus, saindo da Estacio del Nord de Barcelona. Preços e horários podem ser consultados aqui.


Texto e fotos: Daniel Aratangy

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *