internacional mar sup urbano

Remando Barceloneta


De SUP em Barcelona – Uma Nova Perspectiva
SUP em Barcelona: um nova jeito de conhecer a cidade

Passei uma semana trabalhando em Barcelona. Como fotógrafo, meu trabalho é basicamente passear, conhecer os pontos turísticos e tentar fazer imagens interessantes. Em sete dias, deu pra ter uma boa ideia da cidade. Era o auge do verão, bem numa onda de calor do Saara que invadiu o continente europeu. Os turistas enchiam as ruas e, principalmente a praia.

Sagrada Família, catedral projetada pelo arquiteto Antoni Gaudí, que é um dos mais visitados pontos turísticos de Barcelona

Praia lotada é um fenômeno recente. Barcelona sempre deu as costas para o mar. Até pouco tempo atrás, as praias eram feias e estreitas. Ninguém as frequentava. O bairro próximo ao mar sempre foi um dos mais desvalorizados, onde moravam operários e a comunidade de pescadores. Mas depois que a cidade abrigou as olimpíadas de 1992, tudo mudou. Aterraram a Praia de Barceloneta, trazendo toneladas de areia do Egito.

Praia de Barceloneta com areia importada do Egito

Hoje me dia, Barceloneta é parada obrigatória de todo turista e também a área escolhida para prática de esportes dos moradores da cidade. Todos os dias, no verão, a faixa de areia fica lotada. Uma canga ao lado da outra. Moradores e turistas aproveitam a água fria do Mediterrâneo para se refrescar. Saindo do mar, tem gente fazendo yoga, musculação, jogando vôlei ou só tomando sol mesmo, como em qualquer praia de cidade grande.

Calçadão de Barceloneta, esportes e lazer na praia

Para nós, brasileiros, parece estranho, mas não é permitido consumir bebida alcoólica na praia. Aliás, em nenhum espaço público. Bebidas só em bares, restaurantes e nas casas das pessoas. Mesmo assim, vendedores ambulantes passam, o tempo todo, oferecendo cerveja gelada. É interessante de ver. Muitos vendedores são imigrantes mulçumanos, que imaginamos mais conservadores, e que realmente se vestem da cabeça aos pés, mesmo no calorzão que estava fazendo. E o público que frequenta a praia, basicamente de europeus cansados do frio, é bem livre, todos sem camisa, muitas mulheres de topless e, em algumas partes, homens e mulheres completamente nus. Um contraste de culturas que chama a atenção.

Fim de tarde em Barceloneta, na Espanha

No meio disso tudo, tem a turma do Stand Up Paddle. Olhando da praia, é difícil contar a quantidade de remadores. É muita gente. Tem os moradores que trazem suas próprias pranchas de casa ou pegam nas guarderias que tem por ali. E tem também os turistas que alugam os SUPs nas lojas e quiosques da região (o preço gira em torno de € 15 a hora). A maioria é bem iniciante. Dá pra ver que mal se equilibram sobre a prancha, remando mais sentados do que em pé.

Grupo remando de Stand Up Paddle na praia de Barcelona

Antes de sair do Brasil, já tinha estendido minha estadia em Barcelona em três dias. Queria aproveitar que estaria por ali, para ficar um tempo sem ser a trabalho e, de preferência, remando. Então levei minha prancha inflável de São Paulo e organizei algumas remadas. Foram duas na Praia de Barceloneta (conto uma delas abaixo) e uma em Tossa de Mar, uma cidade paradisíaca a uma hora e meia de Barcelona, que vocês podem ler aqui.

Turistas e moradores se refrescam nas águas frias do Mediterrâneo

O lugar em que estava hospedado era longe da praia, não dava para ir a pé. Então peguei o transporte público com prancha e tudo. Desci bem na orla, onde ficam os restaurantes e bares. Enchi a prancha, enfiei a bomba e a mochila num saco plástico e levei tudo junto comigo. Nas primeiras braçadas já senti que tinha valido a pena trazer a prancha do Brasil. Que delícia e que privilégio poder remar ali!

Aula de SUP na piscina do clube em frente à Praia de Barceloneta

Em cima da água tudo parecia mais calmo e silencioso. Pensei que da areia, a vista era o mar; mas do mar, a vista era a cidade. Depois de sete dias andando por Barcelona achei que já a conhecia bem, mas vê-la desse outro ângulo me trouxe uma nova perspectiva. A cidade vibrante, criativa, boêmia, que tinha conhecido, agora parecia um pouco caótica. Era bom poder estar fora, dar uma pausa, respirar…

O lado urbano da cidade de Barcelona

Comecei a reparar em outras coisas. A água tava super transparente, num tom de azul que é raro ver em nosso país. Logo vi uma caravela (água viva?), depois outra e mais outra. Gaivotas boiando. Plástico. Sacos, copos, embalagens. Tem lixo nas praias do mundo todo, infelizmente.

O quebra-mar ao lado do imponente Hotel W

Remei bem devagar até a fim da praia. Parei embaixo do hotel W, uma construção muito alta para os padrões do bairro, que se destaca na paisagem. Ali tem um quebra-mar todo grafitado. O espaço é isolado por grades. Só os moradores mais aventureiros sabem chegar ali por terra, passando por cima das grades e pulando de um quadrado de concreto para outro. Pelo mar é outra história. Muito mais fácil, mas no tempo que fiquei ali, mais ninguém apareceu.

O quebra-mar foi um ótimo lugar para parar e observar a cidade

Desses quadrados vi os teleféricos indo e voltando da Torre d’Alta, ali na frente. Alguns remadores se aproximavam, mas não encostavam. Chegava um zunido de música eletrônica de um dos lounges do hotel. Um grupo de jovens pulava dos quadrados para o mar e parecia que iam bater com a cara no concreto, mas eram safos, caiam na água e logo subiam para pular de novo.

Parece que vai cair na pedra, mas sabe o que tá fazendo

Assim, o sol foi baixando e achei que era hora de voltar. Ainda dei uns mergulhos pra me refrescar, mas logo subi na prancha e voltei a remar. Fui mais rente à praia, reparando nos pontos de aluguel de SUP. Eram muitos. Quem for pra Barcelona sem prancha não vai ter a menor dificuldade em achar uma para si. Mesmo assim, fiquei contente de estar com a minha. No dia seguinte iria para Tossa de Mar (veja aqui) com ela e poderia explorar a região sem pressa. Além disso, pegar ônibus com a prancha e enchê-la no calçadão, me fez parecer um morador de lá. Pena que não tem uma praia assim na cidade de São Paulo.

Uma foto de Tossa de Mar pra você ficarem com vontade de ler o post
DADOS DA TRAVESSIA DE SUP EM BARCELONA

Distância dia 1 = 3 km

Distância dia 2 = 2 km

Cidade = Barcelona, Espanha

ALUGUEL DE PRANCHA DE STAND UP EM BARCELONA (Barceloneta)

O valor gira em torno de € 15 a hora

Ungravity

Box Barcelona

Base Nautica

Texto e fotos: Daniel Aratangy

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *